terça-feira, 30 de outubro de 2007

No Baú da minha mente...

É verdade mais uma vez cá estou eu fora de horas a escrever, sinceramente, não sei muito bem sobre o que escrever, mas tambem se nada de jeito assim sair posso sempre mandar isto para os rascunhos e não o publicar.

Desta vez confesso que até me sinto cansado, e que até sei que se me deitar na cama adormecerei logo, mas decidi vir aqui, escrever qualquer coisa, desabafar um bocado com os leitores do meu blog (embora muitos fujam mal leiam a primeira frase devido à qualidade deste).

Eu hoje tentei ser poeta, tentei escrever um poema, até consegui algumas rimas, mas pura e simplesmente eram ridiculas, era um poema demasiado directo, em que se percebia logo o seu sentido, e como eu sou aplogista de que a poesia deve ser lida de maneira diferente por cada pessoa, pura e simplesmente decidi descarta-lo, é incrivel com0 é que as coisas parecem faceis quando estamos de fora.

Como voces sabem, eu adoro a noite, muito em parte pela sua calma, não sou pessoa de alaridos, detesto shopings ao domingo, e adoro o silêncio.

O silêncio e a solidão (quando falo em solidão falo no meu resguardo de sentimentos) sempre foram meus companheiros de viagem, mas ja foram mais chegados a mim, agora felizmente não preciso de resolver tudo sozinho, já não me sinto deslocado, nem um estranho, não me sinto como aquele caminhante solitario dos filmes.

Por vezes era interessante, ser aquela pessoa que ninguem sabia nada, os boatos corriam, era incrivel as coisas ridiculas que se diziam, mas não era feliz, era diferente, incompreendido.

Bem estou a ver no que isto veio dar, é um assunto interessante, e ninguem que leia este blog, me conheçeu nessa altura, e ainda bem... mas se calhar esta será a altura certa para contar esta historia.

Há muito tempo, eu frequentava um meio extremamente convencido e arrogante, miudos (sim na altura era um miudo) com a mania que eram ricos, e poderosos, uma bocado como aqueles filmes de popularidade, Existe o craque da turma, as gajas boas da turma, e os amigos do craque, e o grupo dos cromos que eram gozados constantemente, Bem isto são os filmes , mas no meu caso o grupo dos cromos era Eu , e tinha uma turma inteira contra mim, fui gozado, levei muita pancada, muito porque eu nao me calava, podia não ter hipotse... mas simplesmente não me calava, apesar de ter 5 gajos mais fortes que eu, eu insultava os, cuspia lhe , e ainda lhe espetava dois ou três socos, mas no fim, quem ia pisado para casa era eu. Obviamente que nem preciso de falar da minha vida amorosa nessa idade, bem eu era desprezado por toda a gente.

Um dia passei me, decidi mandar toda a gente a Merda, e mudar de ares, mudei, tive uma mudança radical, mas nunca me esqueci quem fui, e quem sou. Basicamente sou o mesmo, mas agora com motivos para sorrir, com a confiança que me tinha sido retirada nesses meus anos negros.

Voltando à historia, passado um ano voltei a essa mesma escola, fui a uma festa, entrei la dentro com amigos , sim eu tinha amigos mas estavam todos noutra turma, e de repente encontro as pessoas que me mal trataram, eu simplesmente chego a beira deles, com toda a naturalidade, e disse :
"boa tarde!, está tudo bem?" eles gaguejaram, sentiram medo, perguntavam se onde teria ido buscar tamanha confiança, eu ri-me e disse vemo nos por ai. Vi-os mais umas quantas vezes, mas sempre viraram a cara, evitavam me, tinham perdido a coragem, as "gajas boas", abordaram me, e eu pura e simplesmente comprimentei educadamente, e virei lhes as costas.

Curioso, Eu não me tinha tornado num serial killer, nem em nenhum top model, nem mesmo em nenhum criminoso, mas toda a gente me temeu nesse dia.

As pessoas têm medo do desconhecido, ou então atracção, o que as pessoas não sabem e que por vezes o que nos conhecido fica desconhecido, e vice-versa.

Enfim, apesar de tudo cá estou eu, e se vir alguma daquelas bestas, chegarei a beira dele e direi,"Ola eu sou o ricardo, Esta tudo bem?" e a pensar " Tenta agora humilhar-me!! Desafio-te!!"

Ainda tenho fantasmas, admito, mas como diz uma grande amiga minha, olho para eles com um sorriso zombeteiro, e digo, a mim não me apanhas...PORQUE EU SIMPLESMENTO NÃO DEIXO!!

Onde ganhei esta coragem? esta força? não sei, mas gostava de descobrir, porque apesar da imunidade ao tipo de coisas que falei neste post, existem coisas que me tiram a força e me deixam de rastos.

A minha vida é uma sinusoide, ja tive problemas de quase todos os tipos, já tive que aguentar castelos de areia em colapso, empurroes sucessivos, e ultrapassar barreiras incalculavelmente grandes, eu sei que muitas vezes as pessoas pensam que eu exagero, e por vezes as pessoas desabafam comigo por coisas incriveis, e essas pessoas simplesmetntenão se acrditam que eu sei como elas se sentem, devido a pensar que eu ainda não vivi essas experiencias mas existem coisas na minha vida que ainda so continuam na minha cabeça, na altura certa eu as irei soltar. Mas como disse é uma sinusoide, tambem ja vivi o extremo da felicidade, atingi objectivos, e conquistei o meu mundo!


Digo vos meus amigos, se algum dia cairem simplesmente levantem-se, e se algum dia eu cair eu não me quiser levantar, simplesmente digam , Levanta-te, que eu pelos meus amigos farei tudo...

Era capaz de ficar aqui a noite toda a escrever, mas não vou escrever mais... vou vos deixar a pensar, se realmente vale a pena desistir, mesmo quando as coisas parecem impossiveis...

bjos para elas, abraços para eles

6 comentários:

Frankie disse...

wow...

Acabei de ter um choque!

Passa um "cristão" uns diazinhos sem visitar os teus domínios e depara-se logo com tanta coisa para ler?! Ena ena...

Andas inspirado...

*inspira*
*expira*

Vou ler tudo :P
Já te digo qualquer coisa ;)

Ricky Malfoy disse...

Um Cristão não teme!!!

miguel disse...

hehehe e xica não teme nada... :P

Mas falando do texto... a melhor forma de enfrentar os nossos medos realmente é de frente. De peito aberto para o que nos faz gelar a alma.

E realmente há dois pólos em relação ao desconhecido. Umas pessoas abraçam o desconhecido sem medo, outros temem-no como se do próprio diabo se tratasse.

E o engraçado é que para lá do conhecido jazemos "nós". A nossa verdadeira alma... para lá de qualquer fachada ou máscara.

Conhecer o desconhecido em grande medida é conhecermo-nos a nós mesmos...

E pah "YOU'LL NEVER WALK ALONE" :P

Ricky Malfoy disse...

ah e frankie, sabes os meus dominios são sempre assim inesperardos e assustadores, lol... nao fosse eu um fantasma :P

Frankie disse...

Uuuuuuuuuuuuuuuuuui que MEDO!!!

;)

Beijinho, mano*

PS: "Um sorriso zombeteiro..."hum, sei sei... ;)

andorinha disse...

Olá miúdo!

Desculpa tratar-te assim, mas é com trato toda a gente abaixo dos 25 anos:)
Manias...

Gostei do que li e sobretudo, dos dois últimos parágrafos.
Fizeram-me, de facto, pensar.
Ontem e hoje tive dias terríveis, daqueles que nos fazem quase abandonar o barco e desistir da viagem.
Claro que já desabafei com uma amiga muito chegada, mas ler-te foi uma terapia.

Não, não vale realmente a pena desistir; desisir de nós, nunca.
Agradeço-te a força que retirei das tuas palavras.

UM beijo.