quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Um sonho fantasticamente banal

Fecho os olhos, tudo esta escuro, só ouço o ar condicionado a soprar ruidosamente, mas tudo isto desaparece de repente...

Entro num mundo novo, igual ao real mas contudo completamente diferente. Continua noite, mas porem o céu não esta escuro, mas sim claro, conseguimos ver a lua lá no alto, e as estrelas cintilam que nem pirilampos. No horizonte ,a norte, temos as cores quentes do por do sol, enquanto a sul temos as cores do frio amanhecer.

Estou numa estrada, nas suas margens existem jardins relvados infindáveis. A adornar este brilhante verde, encontro fantásticas rosas negras, rodeadas de frágeis tulipas brancas, o colorido céu contrasta com o preto branco da flora nas margens desta longa estrada, como este mundo e perfeito.

De repente reparo em mim, estou igual, mas sem o meu pijama com fantasmas, mas sim com umas botas de motard, umas simples e banais calças de ganga e uma camisa verde tropa. Na minha mão esquerda levo um blusão de cabedal preto, e á minha esquerda encontro uma mota, mas não era uma mota qualquer, era uma mota estilo Harley davidson, toda cinza rato ainda a brilhar parecia que tinha do stand agora...

De repente, sinto uma picadela na mão direita, eram as chaves da mota, eu simplesmente meti a chave na ignição vesti o casaco, pus uns óculos de sol que encontrei no bolso interior esquerdo do meu casaco, e olho para norte, para o calor do por de sol...

Não sei porquê, mas sabia que o meu destino era viajar para sul, não sabia para quê, nem o que la existia, mas existia algo que tornava esta jornada com sentido...

De repente , meto a minha mao no bolso direito , onde normalmente guardo o meu telemovel, e ncontro a minha fiel faca do tipo borboleta. Com um agil golpe de pulso, abro este elegante canivete preto, depois olho outra vez para o jardim aproximo-me deste e corto com um golpe seco e frio o caule de duas flores, uma tulipa e uma rosa. Pego nelas e guardo as numa pequena mala que se situa atraz do banco da mota.

De seguida, guardo a borboleta, sento me na mota, rodo a chave , carrego no botão de ignição, e um barulho fantástico saiu do motor da mota.

Depois acerto os meus oculos, meto a primeira, e arranco em direcção ao horizonte...


Continua...

4 comentários:

Frankie disse...

Sabes do que mais gostei, não sabes?! ;)

Ricky Malfoy disse...

Sinceramente... n estou no mesmo canal que tu... Mas provavelmente das tulipas!! bjinhos. obg pelo comment

Frankie disse...

Ahah :P

Das rosas

miguel disse...

Tá bom :)

Sempre cheio de estilo e de humor caústico.

Continua... que eu quero ver a próxima parte. :p

abraços pah